Presidente da Sercomtel sacou R$ 5 mil na véspera do flagrante

23-07-2012 21:08

2012-05-17 05:41

compra de votos

Foto: G1 Paraná RPC TV

Roberto Coutinho está entre os denunciados no inquérito que investigou a compra de votos de vereadores por membros do Executivo. Também são acusados de participação no esquema o ex-secretário Marco Cito, e o chefe de gabinete do prefeito

 
14/05/2012 | 15:54 | atualizado em 14/05/2012 às 17:50Fábio Calsavara, com informações de Fábio Silveira
 

    Parte dos R$ 20 mil entregues pelo empresário Ludovico Bonato ao vereador Amauri Cardoso (PSDB) para que este votasse contra a abertura da Comissão Processante (CP) da Centronic, teria saído da conta pessoal do presidente da Sercomtel, Roberto Coutinho. A informação foi confirmada nesta segunda-feira (14) pelo promotor Cláudio Esteves, que ofereceu denúncia do esquema de compra de votos de vereadores à Justiça nesta tarde. Além de Coutinho, também foram denunciados o ex-secretário municipal de Gestão Pública e de Governo, Marco Antonio Cito , o empresário Ludovico Bonatto, o diretor de participações da Sercomtel, Alysson Tobias de Carvalho, o chefe de gabinete do prefeito, Antonio Rogério Lopes Ortega, e o vereador afastado Eloir Valença (PHS) por formação de quadrilha e corrupção ativa e passiva.

    A novidade nas investigações da compra de votos é a denúncia contra Coutinho. De acordo com o promotor Cláudio Esteves, ele teria sacado R$ 5 mil da sua conta pessoal na manhã de 24 de abril, dia em que Marco Cito e Ludovico Bonato foram presos em flagrante após a entrega de R$ 20 mil ao vereador Amauri Cardoso (PSDB). O objetivo da propina era convencer o vereador a votar com a base do prefeito Barbosa Neto(PDT), ou seja, contra a abertura da CP da Centronic, que acabou sendo aprovada pela Câmara de Vereadores e vai apurar o envolvimento do prefeito no uso de dois vigias pagos com dinheiro da prefeitura na Rádio Brasil Sul, da qual é dono.

    Na versão de Coutinho, dos R$ 5 mil sacados, R$ 1 mil foi “emprestado” a Alysson de Carvalho, diretor da Sercomtel. Carvalho também acusado de fazer parte do esquema de compra de voto. O presidente da Sercomtel disse que emprestou o dinheiro para o diretor viajar a Curitiba, onde participaria de um evento do PDT.

    Os outros R$ 4 mil teriam sido usados para pagar um carro, segundo Coutinho. Conforme a denúncia do MP, o dinheiro sacado da conta do presidente da Sercomtel foi entregue a Alysson de Carvalho, que o levou a Marco Cito. Cito é acusado de repassar o valor a Ludovico Bonato, que articulava a compra do voto de Cardoso.

    A assessoria de imprensa da Sercomtel informou que o presidente da empresa de telefonia não vai conversar com a imprensa nesta segunda. O argumento é de que ele ainda não tomou conhecimento da denúncia protocolada pelo Ministério Público junto à 3ª Vara Criminal de Londrina.

Quadrilha

    Em nota enviada à imprensa, o Gaeco afirmou que a associação dos denunciados visava estabelecer organização criminosa composta por filiados ao diretório municipal do PDT – partido do prefeito Barbosa Neto (PDT) -, "que objetivava a cooptação de membros integrantes do poder legislativo municipal, filiados a partidos que faziam oposição à administração, de modo a agregá-los à base aliada, visando conseguir a aprovação de projetos de lei de interesse do grupo na Câmara Municipal de Londrina.”

Presos

    Dos denunciados, apenas Marco Cito, Rogério Ortega e Ludovico Bonatto continuam detidos na Penitenciária Estadual de Londrina II (PEL II). No último sábado (12), o diretor da Sercomtel, Alysson de Carvalho, conseguiu habeas corpus e deixou a prisão.

Investigação

    A investigação se tornou pública em 24 de abril, quando o ex-servidor Ludovico Bonato e o ex-secretario Marco Cito foram presos após a entrega de R$ 20 mil para o vereador Amauri Cardoso (PSDB). O esquema de compra de apoio de vereadores para que estes votassem contra a abertura da Comissão Processante (CP) da Centronic era monitorado pelo Gaeco desde a denúncia do vereador, mantida em sigilo.

    A CP, aprovada pela Câmara de Vereadores, vai apurar o envolvimento do prefeito Barbosa Neto (PDT) no uso de dois vigias pagos com dinheiro da prefeitura na Rádio Brasil Sul, da qual é dono.

O esquema

    De acordo com as investigações do Gaeco, o empresário Ludovico Bonato e o ex-secretário Marco Cito teriam se encontrado no estacionamento da Prefeitura de Londrina. "Antes de o Ludovico entregar o dinheiro ao [vereador] Amauri [Cardoso], ele passou no estacionamento da prefeitura e se encontrou com o Marco Cito. Ligou então para o Rogério [Ortega] e foi orientado a aguardar, porque uma pessoa iria até eles para entregar o dinheiro.

    Essa pessoa, que trouxe o dinheiro, foi o Alysson de Carvalho. Ele entregou o dinheiro para o Marco Cito e só então o Marco Cito entregou o dinheiro ao Ludovico Bonato", disse o delegado Alan Flore, na conclusão do inquérito em 3 de maio.
De acordo com Flore, essa versão havia sido confirmada pelo vereador Amauri Cardoso no dia do flagrante. "Mesmo não estando no local, o Amauri [Cardoso] nos disse isso no dia da prisão.

    Informalmente, o [Ludovico] Bonato nos disse isso, mas oficialmente ele ficou em silêncio. Foi um relato espontâneo, coincidente com o do vereador Amauri Cardoso", informou.

 

 

Contatos

Focolondrina

focolondrina@hotmail.com

Av: Do Sol nº.541 Jd do Sol - Londrina-PR

(43) 9 9903.6667

Procurar no site

Notícias

03-05-2016 17:02

PREVENÇÃO UMA PRIORIDADE PARA SEGURANÇA DA POPULAÇÃO

14/01/2016       No dia 27 de janeiro próximo, fará 3 anos que 242 jovens morreram no incêndio da Boate Kiss, na verdade eles foram vítimas da falta de informação de como se proteger em um incêndio, acredito que se eles tivessem tido o mínimo de informação teriam se...

noticia

Esta seção está vazia.

 


 

 

 

 

 

 

 Aliança em benefício da vida

Foto: Focolondrina

    Quando se fala em segurança para sua família, não pode ter divergência política ou partidária, porque a família é muito mais importante que tudo.

    Não devemos nunca deixar que oportunista se aproxime ou manipule um líder comunitário para promover a discórdia em beneficio de si mesmo.

    A FECAMPAR (Federação das Entidades Comunitárias e Associações de Moradores do Paraná), conseguiu pela primeira vez no Paraná, organizar aquilo que parecia impossível, juntar políticos sindicalistas e empresários, todos com o mesmo objetivo, levar ate o Governo uma renvidicação que há décadas passavam despercebidas, a prevenção de incêndio e o controle de pânico nas Escolas do Paraná, com essa integração conseguimos sensibilizar o nosso Governo e o nosso objetivo  esta sendo alcançado.

    Agora esperamos que as administrações Municipais  tenham a mesma consciência e procure estar também  integrada com o Governo  Estadual e Federal  e não mais promover  a desgraça  de muitos em beneficio de poucos.

     Precisamos que o projeto brigada escolar seja estendido para todas as Escolas Municipais e que o pesadelo de Uruguaiana e Santa Maria sirva de lição para todos nós, tornando a integração o melhor caminho para termos uma sociedade justa e igualitária.

    Esta aliança não será usada para beneficiar estes ou aqueles grupos políticos, ela foi organizada para provar para o Paraná que o Governo e o Povo devem estar integrados com o mesmo objetivo. Salvar vidas.

    A FECAMPAR regional Londrina agradece publicamente a toda equipe da Organização Comunitária Focolondrina, aos Vereadores, Péricles Deliberador, Marcos Belinati, Roberto Fu, Wilson Bitencortt, ao Deputado Estadual Belinati, ao Presidente da Nova Central dos Trabalhadores do Paraná Denílson Pestana da Costa, ao Dr. Marcelo Belinati, ao Presidente da Câmara de Vereadores de Cambe Eliseu Vidotti, ao Deputado Federal Luiz Carlos Hauly, ao Presidente do PSDC de Londrina Bruno Ubiratã, ao Presidente do PSDC Estadual Luiz Adão, ao Empresário Luciano Pizzato, SINTRAMICA, SENALBA Londrina, SECRASO NP, Sindicato dos Vigilantes de Londrina e região, Cooper Fire Extintores, Ulisses Sabino, também ao   Presidente  do SINDISERV   Marcelo Urbaneja, Eder Pimenta, Presidente da FEMOCLAM  Nilson Pereira,  Geonisio Marinho, Valdenir Dielly Dias, aos   gabinetes  dos  Vereadores  Péricles, Wilson Bitencort,  Roberto Fu, Marcos Belinati,  Jurandir Rosa  Diretor do Jornal A SEGURANÇA METROPOLITANA  de Londrina, Carlos Zapata do Jornal voz de Ibaiti, ao  amigo Messias Lima, Lineu Tomass, Carioca, também aos   Assessores  do Deputado Belinati,  Baixinho, Aguilera, em Especial ao Ratinho Junior,  Ministério Público, ao   Governo do  Paraná Beto  Richa e tenho a certeza que  seus  apoios  foram de grande importância na formação e  organização no  projeto da aliança de integração Comunitária  do Paraná.

    A FECAMPAR Regional Londrina em nome do povo do Paraná, agradece a todos e que Deus Abençoe a cada um por estar ajudando de alguma forma buscar mais segurança para nossa família.

           Celso Melchiades

    Vice Presidente Fecampar

 

 

 

Será que um dia poderemos ter realmente algum direito?

 
19-02-2013 13:22

2011-04-16 10:33

 

 

     Sonho! Nos vivemos de sonho e esperança ,os movimentos populares lutam para que os sonhos se torne realidade e  os direitos de cada cidadãos sejam respeitados.

   Sempre foi este o verdadeiro papel das associações de moradores, mas a partir do momento que o líder da entidade se mostrava competente e determinado na defesa dos direitos de sua comunidade. 

    Imediatamente aguçava a cobiça de mercenários, que procura sempre calar a boca de líderes comunitários a qualquer preço e assim fazer com que as reivindicações daquela comunidade deixassem de existir.

    Londrina sempre será o berço dos movimentos populares do Paraná, muitos partidos cuja sua ideologia era defender e lutar pelos menos favorecidos.

     Essa história começou em Londrina, mas infelizmente foi se perdendo, por que os partidos políticos no papel era uma coisa, na prática era outra.

      Isso esta se repetindo nas associações de moradores, entidades que na prática é formada para representar e defender a sua comunidade.

       O que esta acontecendo em Londrina?

     As entidades foram formadas, mas só tem a representatividade no papel, esta com a boca calada e defendendo políticos que não tem compromisso com a comunidade, precisamos que estas entidades realmente exerçam a sua responsabilidade, lutar e defender os direitos dos cidadãos e cumprir o seu estatuto.

       A partir do momento que os presidentes respeitam o seu estatuto a sua comunidade passa a ter suas reivindicações respeitadas.

       Infelizmente o que esta acontecendo é que o presidente negocia através da sua credibilidade favores pessoais.

      Por estar sempre acontecendo isso tomamos a iniciativa de não mais articular com presidentes de associações de moradores em Londrina.

      Não que temos algo contra eles, na verdade respeitamos e muito, mas infelizmente não podemos confiar em todos os presidentes e trazer para dentro do movimento.

       Nossa organização respeita e sempre defenderá os Presidentes de associações de moradores sérios, vamos também dar prioridade em defender os direitos de nossos irmãos de luta, não somos mercenários, somos  Organizadores  Comunitários da Força Comunitária de Londrina.

Celso Melchiades

 

 

  

© 2010 Todos os direitos reservados.

Crie o seu site grátisWebnode